Civil, BM e Susepe apreendem armas, drogas e celulares na Modulada
A ação ocorreu em três galerias, resultando na apreensão de mais de 80 facas, além de drogas, celulares e bebidas alcoólicas

  Wednesday, 13 December, 2017

Polícia Civil, Superintendência de Serviços Penitenciários (Susepe) e Brigada Militar realizaram segunda-feira, dia 11/12, a Operação União/ Cárcere Seguro, que teve por objetivo localizar e apreender drogas, telefones celulares, armas e demais objetivos ilícitos. A ação teve início às 6h30min e se estendeu até cerca de 14h.

Foram revistadas três galerias, somando cerca de 75 celas. O ingresso nas galerias foi feito por agentes da Susepe, seguidos de policiais civis que tinham por missão inicial ‘congelar’ as celas, ordenando aos presos que permanecessem junto à parede, com as mãos na cabeça.

Logo após o congelamento de todas as celas da galeria, os presos foram encaminhados ao pátio. Lá, permaneceram contidos e vigiados por 20 policiais militares armados com munição antimotim e dois policiais civis armados de fuzis. A partir daí, mais um grupo de policiais civis entrou nas galerias e, somados aos primeiros realizaram minuciosas buscas nas celas. Todos os ilícitos encontrados foram fotografados no local e posteriormente coletados.

A ação foi iniciada após informações de ingresso de armas de fogo na casa prisional, o que não se confirmou. No entanto, ao longo das buscas os policiais encontraram 70 facas artesanais com até 40 cm de lâmina; 11 facas artesanais com mais de 40 cm de lâmina, maconha e cocaína; cerca de 30 telefones celulares, carregadores e baterias para celular; e uma quantidade significativa de bebida alcoólica produzida artesanalmente pelos detentos.

Reações

Em algumas celas houve reação dos presos, que não atendiam as ordens e provocavam os policiais. Em uma das galerias houve um princípio de baderna geral, capitaneada por dois presos vindos de São Borja. No entanto, a situação foi rapidamente controlada.“Não houve confronto físico e a situação foi muito bem administrada pelo pessoal”, explica o delegado Enio Tassi, que coordenou a ação.

Os presos ‘rebeldes’ responderão administrativamente, por meio de Procedimento Administrativo Disciplinar (PAD) a cargo da Susepe, e ainda criminalmente por desobediência.

O trabalho conjunto contou com participação de 40 policiais civis – 32 de Uruguaiana e oito de Alegrete e Barra do Quaraí –, 20 policiais militares e 30 agentes penitenciários. Para deslocamento dos policiais, foram utilizadas 19 viaturas – onze da Polícia Civil e oito da Brigada Militar.

A ação ocorreu num delicado momento para os servidores da segurança pública, quando os salários – tanto policiais civil e militares quanto agentes penitenciários – ainda não foram pagos pelo Governo do Estado. Ainda assim, considerando sua importância, a ação contou com praticamente todo o efetivo.

Comente esta notícia Gabriela Barcellos/Jornal Cidade

clique aqui para imprimir