Professores e acadêmicos vão apresentar 11 trabalhos em evento internacional

Urcamp é uma das apoiadoras do evento. Pesquisas reúnem acadêmicos dos cursos de Jornalismo, História, Ciências Biológicas e Sistemas de Informação

  Friday, 21 July, 2017

Os professores Fábio Josende Paz, Clarisse Ismério e acadêmicos dos cursos de História, Jornalismo, Ciências Biológicas e Sistemas de Informação da Universidade da Região da Campanha (Urcamp) vão participar, em novembro, do 18º Encontro Iberoamericano de Cementerios Patrimoniales, em Montevidéu, no Uruguai. A Urcamp é uma das apoiadoras do evento internacional, promovido pela Red Iberoamericana de Gestión y Valoración de Cementerios Patrimoniales.

No total 11 trabalhos foram submetidos, aprovados e serão apresentados no exterior.  O grupo de docentes e discentes faz parte do Núcleo de Pesquisa e Extensão em Patrimônio Cultural e Ambiental.

As pesquisas que serão apresentadas no evento são voltadas para a área patrimonial e cemiterial, com ênfase em representações através da poesia; o cemitério na poesia; as mulheres na área cemiterial – religiosidade, os ritos de passagem do batuque afro-gaúcho, entre outros.

Para a historiadora Clarisse Ismério, o evento é muito importante, pois participam vários países da América Latina. “Do Brasil são apenas 15 trabalhos, sendo que 11 são nossos. Agrega muito conhecimento e troca de experiências”, conta.

Entre os trabalhos aprovados, dois fazem parte do projeto Patrimônio Digital, que está sendo desenvolvido pelo grupo no Museu Dom Diogo de Souza, utilizando a tecnologia para implantar o sistema de gestão do acervo. As pesquisas nesta área são direcionadas para acervo de cemitério e, também, para acervos museológicos de arte sacra e cemiterial.

Segundo o professor da área de informática, Fábio Josende Paz, esse trabalho iniciou no ano passado e será gratificante apresentar os resultados já obtidos. “É importante a tecnologia nessas áreas. A participação no evento vai ampliar o relacionamento, através de novas culturas e pesquisadores. Conheceremos o que está sendo feito em outros lugares. É uma realização, pois possibilita parcerias com outros países”, destaca.

Trabalhos

- As representações do cemitério sob a ótica dos filmes (Alisson Lug da Costa Rodrigues);

- Patrimônio digital: gestão e organização do acervo cemiterial (Ângela Carretta, Elisabeth Drumm, Denizar Souza, Gabriel Corrêa, Josiéllen Milano, Mateus Moreira, Clarisse Ismério e Fábio Paz);

- A representação materna na arte cemiterial (Bruna Maia Remonato);

- Sarau noturno: estudando a arte cemiterial sob a perspectiva da educação patrimonial (Clarisse Ismério);

- Patrimônio digital: revitalização digital dos acervos museológicos de arte sacra e cemiterial (Ângela Carretta, Elisabeth Drumm, Denizar Souza, Gabriel Corrêa, Josiéllen Milano, Mateus Moreira, Clarisse Ismério e Fábio Paz);

- O cemitério sob a tonalidade dos estilos musicais (Gabriel de Souza Corrêa e Matheus Martinez Feijó);

- As representações simbólicas religiosas presentes no Cemitério da Santa Casa de Caridade de Bagé (Tainá Alves da Rosa);

- Um olhar sobre as políticas públicas e turismo nos cemitérios da Argentina e Brasil (Luana Latorre dos Santos);

- O pampa e o cemitério: reflexões poéticas (Lasie Winkel da Silva Júnior);

- Para onde vão os meus: estudo dos ritos de passagem do batuque afro-gaúcho (Hallana Oliveira, Samuel Oliveira e Tanize Sedrez);

- Preservação do patrimônio cultural: restauração e conservação do Cemitério da Santa Casa de Caridade de Bagé (Gabriel Fernandes da Silva);

Comente esta notícia Claudenir Munhoz

clique aqui para imprimir