Página inicial

Página inicial Religião Católica Adventista Evangélica Outras Orações
CATEDRAL DE SANT'ANA
           Criação 29.05.1846, mesma data de emancipação política de Uruguaiana. Teve como primeiro pároco o padre italiano Francisco Pontiglione de Vicente.
           A primeira Igreja Matriz foi inaugurada em 22.02.1861 e depois destruída por um incendio, provocado por uma vela acesa. No mesmo ano era construída a segunda Igreja Matriz, mais ampla.
           Em 1º de janeiro de 1926, foi lançada a pedra fundamental para a construção do atual prédio da Catedral de Sant'Ana, e em março de 1934 foi demolida a 2ª Matriz para dar lugar ao novo prédio. A atual Igreja Matriz de Uruguaiana foi inaugurada em 29.05.1946, ano em que completou cem anos de sua criação.
           Possuí 62,65m de comprimento e 31m de largura, suas torres tem 62m de altura. A paróquia Catedral de Sant'Ana possuí obras de arte belíssimas e em sua cripta estão os "FACSÍMILE" do 1º e 3º Bispos de Uruguaiana, respectivamente Dom Hermeto e Dom Luiz Felipe de Nadal.
           Em 07.10.1943, a Catedral de Sant'Ana recebeu a visita do Sr. Presidente da República Dr. Getúlio Dorneles Vargas.
ARTE DE ESTILO ROMÂNICO
           Estátua de Sant'Ana no frontispício da Catedral, possuí 3m de altura (obra de Acário de Carvalho) foi oferecida pela Drª. Dolores Cunha.
           As pinturas do presbitério foram feitas pelo pintor Victor Perona em 22.06.1948.
           As inscrições nas portas da Catedral de Sant'Ana são brasões ou emblemas de Dom Hermeto e Pio X em uma das portas; emblema dos Papas em geral e do Brasil na segunda porta; e Sagrado Coração de Jesus, Papa Pio XII e do Arcebispo de Porto Alegre Dom João Becker na terceira.
           De acordo com informações recebidas por e-mail, o Sr. Nei Duclós nos orienta sobre as pinturas de Nossa Senhora e Sant'Ana que estão nas paredes do Altar, estas foram pintadas em 1945 pelo pintor italiano desaparecido Pennacchi, que também pintou a Igreja da Penha.

Agradecimentos à Milton Souza (In Memoriun), Nei Duclós e Everaldo Jacques.